"Sejamos um Sindicato eficiente, justo e democrático, investindo nos agricultores hoje, em favor da profissionalização de amanhã"
Carminha Missio

Ex-presidentes

VANIR KÖLLN

(GESTÃO 2006 – 2015)
Vanir_kolln_2016_a_2015

Natural de Erechim (RS), Vanir Antonio Kölln escolheu Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, para viver com sua família. Sua afinidade com assuntos relacionados com a área rural começou cedo: na infância, seguindo o exemplo do pai agricultor; na adolescência, com 18 anos, já estagiava no  Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Aratiba (RS) e, na fase adulta, dirigia a Cooperativa Agrícola de Toledo (PR).

Liderou, em 1988, a maior comitiva de agricultores de todo o Brasil, que reivindicavam uma melhor política agrícola no país, em Brasília. Diretor da Aprosoja Nacional e grande incentivador à criação da Aprosoja/BA, também representou a Federação de Agricultura e Pecuária da Bahia (Faeb) durante seis anos na Comissão de Grãos, Fibras e Oleaginosas, em Brasília.

Foi durante seu mandato de presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Luís Eduardo Magalhães, que é inaugurado no ano 2010, as instalações próprias do Sindicato e do Centro de Treinamento Rural, com área de 2.175 , recurso exclusivo dos produtores.

Em 2014, Vanir recebeu o título de Cidadão Honorário de Luís Eduardo Magalhães, concedido pela Câmara Municipal de Vereadores, em reconhecimento aos serviços prestados ao município.

MOACIR HOPPE

(GESTÃO 2001-2006)
Moacir_Hopper_201_a_2006

Nascido em 15 de outubro de 1954, Moacir Hoppe é natural de Passo Fundo (RS). Filho de agricultor, quando jovem estudou na Escola Agrícola Federal de Sertão (RS), cursando o ginásio agrícola e o Técnico em Agropecuária. Trabalhou inicialmente na área de comunicação como redator e repórter na Rádio Planalto de Passo Fundo e RBS TV de Porto Alegre. Trabalhou como representante comercial agrícola nas empresas Elanco Química Ltda e Ciba Geigy e também como monitor de treinamento de vendas. Veio para a Bahia em 1988 a fim de dar prosseguimento em suas atividades agrícolas. Trabalhou pela emancipação de Luís Eduardo Magalhães e, posteriormente, pela fundação do Sindicato dos Produtores Rurais deste mesmo município.

Participou da diretoria da Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (AIBA) na área administrativa e de comunicação e marketing. Eleito o primeiro presidente do sindicato, Moacir Hoppe participou da diretoria da FAEB e da comissão de Fibra e Grãos da CNA, sendo o responsável pela parceria firmada com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) com o objetivo de iniciar a qualificação da mão de obra do setor agrícola da região. Em sua gestão, a sua bandeira foi a da defesa dos interesses dos produtores, em demandas locais como energia elétrica, estradas e segurança, a exemplo o caso da vinda da Companhia Independente de Ações no Cerrado (CIAC), para reforçar as ações em segurança na zona rural.

Sua atuação esteve voltada também para a realização de seminários técnicos e de treinamentos sobre o controle da ferrugem asiática, recém instalada em lavouras da região, bem como a intervenção em fiscalizações do Ministério do Trabalho, que abusavam do poder e da autoridade e colocavam vários produtores em situações totalmente desnecessárias e humilhantes. Organizou e coordenou as primeiras exposições agrícolas de Luís Eduardo Magalhães em parceria com a Prefeitura Municipal e outras entidades como Associação dos Engenheiros Agrônomos de Luís Eduardo Magalhães (Agrolem), Clube do Plantio Direto, Associação dos Revendedores e Representantes de Máquinas, Equipamentos e Implementos Agrícolas do Oeste da Bahia (Assomiba), entre outras.

Em nível nacional, junto com centenas de sindicatos, buscou uma Política Agrícola coerente com a realidade do campo, principalmente em relação às leis trabalhistas inadequadas, a falta de seguro agrícola e de renda, entre outras solicitações. Promoveu, em Luís Eduardo Magalhães, a primeira Reunião Nacional dos Sindicatos Rurais, com a participação de representantes dos principais estados produtores. Na oportunidade, discutiram e elaboraram um documento único, que posteriormente foi encaminhado ao Congresso Nacional, Ministério da Agricultura, Federações e CNA, com ampla divulgação na mídia nacional.

Além disso, teve efetiva participação no Tratoraço, em Brasília, desde a organização na CNA, com pauta de reivindicações e com a participação expressiva dos produtores rurais do oeste da Bahia. Também foi um dos responsáveis pela organização de ações em busca de um local para a construção da sede do Sindicato e do Centro de Treinamento Regional, consolidado na gestão seguinte.